A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA

O blogger do professor da escola dominical e do pregador da palavra de Deus em www.pastorguilhermel.com.br

A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA
Lição 4 - 26 de outubro de 2014
Texto Áureo: Daniel 3.17 Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; Ele nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mão, ó rei.
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 3.1-7,14

DEUS SEMPRE É PRESENTE QUANDO A NOSSA FÉ ENCARA DESAFIOS

I. INSTITUIR O ECUMENISMO É UMA TENTATIVA CONTRA OS PROPÓSITOS DE SALVAÇÃO 
-
1. O inimigo sempre procura levantar meios idólatras para concorrer com Deus - Daniel 3.1 O REI Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de Babilônia.
2. Tudo que o inimigo levanta é tão insensível como é insensível àqueles que o seguem - Daniel 3.2 Então o rei Nabucodonosor mandou reunir os príncipes, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os capitães, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
3. O inimigo exige compromisso absoluto de todos os que se inclinam para os seus ídolos - Daniel 3.3 Então se reuniram os príncipes, os prefeitos e governadores, os capitães, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, e todos os oficiais das províncias, à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado.

II. DESAFIAR A IDOLATRIA É UMA CARACTERÍSTICA FIRME DE UM VERDADEIRO CRISTÃO -
1. O povo já tem tendência a prática da idolatria e isso facilita para os arautos do mal - Daniel 3.4 E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e línguas:
2. As multidões tem uma fé ingênua, porém os cristãos devem mostrar uma fé segura - Daniel 3.5 Quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, prostrar-vos-eis, e adorareis a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tem levantado.
3. O verdadeiro cristão não se curva diante de ameaças para fazer concessões à idolatria - Daniel 3.6 E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente.

III. QUEM É FIEL NÃO SE CURVA AS AMEAÇAS DO DIABO ANTE A FORNALHA ARDENTE -
1. Quem é fiel a Deus sabe que em qualquer situação é sómente a Ele que adoramos - Daniel 3.7 Portanto, no mesmo instante em que todos os povos ouviram o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério e de toda a espécie de música, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, e adoraram a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
2. Quem confia em Deus não se desencoraja diante de qualquer acusação do inimigo - (Dn 3.16-18). - Daniel 3.14 Falou Nabucodonosor, e lhes disse: É de propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abednego, que vós não servis a meus deuses nem adorais a estátua de ouro que levantei?
3. Quem confia em Deus tem sempre respostas corajosas mesmo sob ameaças de morte - Daniel 3.17 Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; Ele nos livrará do forno de fogo ardente e da tua mão, ó rei.

Aguardem a publicação do Esboço e Comentário
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.
http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/10/a-providencia-divina-na-fidelidade.html

O Deus que intervém na história

 Acesse aqui o site oficial - www.pastorguilhermel.com.br       

O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
Lição 13 - 19 de outubro de 2014
Texto Áureo: Daniel 2.20,21 Falou Daniel e disse: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; Ele muda os tempos e as horas; Ele remove os reis e estabelece os reis; Ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligêntes.
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 2.12-23

DEUS SEMPRE INTERVÉM QUANDO O HOMEM TENTA MUDAR A SUA HISTÓRIA


IntroduçãoDesde o princípio de todas as coisas, Deus escreveu uma história para a humanidade, não uma história de ficção, mas sim uma história real e, isso foi registrado nas Escrituras Sagradas, onde ela relata o princípio dessa história e o final dessa história a qual Ele escreveu. No transcorrer dessa história divina, se fez necessário Deus fazer várias intervenções para coloca-la no curso a qual Ele a escreveu conforme as Escrituras nos revelam. A cada dispensação e durante o seu período de duração, o Senhor Deus precisou fazer intervenções, dado ao fato do homem sob a influência de Satanás ter tentado mudar o curso da história, a qual Deu escreveu. Foi assim no Éden com a queda do homem, na corrupção do período antediluviano, quando Deus manda fazer a arca para que Noé e sua família fossem salvos, no governo humano com a torre de babel, na chamada de Abraão, no período da lei do Egito a Canaã, com as tribos de Israel, encerrando o período da lei com a missão de Jesus aqui na terra foi consumada, no período da graça com o arrebatamento da Igreja, na grande tribulação, no milênio, no julgamento do trono branco e com a criação dos novos céus e novas terras, que é até aonde chega o final da sua história. O texto que estamos abordando envolve uma revelação que faz parte dessa história, e para surpresa de muitos, Deus mostrou em sonho para um rei ímpio chamado Nabucodonosor, uma estátua, porém não revelou a este rei, o significado do sonho. Essa estátua tinha uma cabeça de ouro que significava a Babilônia de Nabucodonosor, a qual iria cair; o peito e os braços de prata, os Medos e Persas de Dario e Ciro; o ventre e quadris a Grécia de Alexandre; as pernas de ferro, a Roma dos Imperadores; os pés em parte de barro e de ferro, a Roma sem o poder político, mas sustentada ainda pelo poder religioso do Papa; e os dez dedos da estátua referem-se aos dez países que serão comandados pelo anti-cristo no período da grande tribulação. Revelava também uma pedra que foi cortada sem o auxílio de mão, a qual feriu a estátua nos pés de barro e de ferro e os esmiuçou. Esta pedra refere-se ao Senhor Jesus Cristo, que intervirá fazendo isso no final da grande tribulação. 
1 - DEUS DÁ SONHOS A QUEM QUER, MAS A INTERPRETAÇÃO NÃO É PARA QUALQUER UM - Daniel 2.12 Por isso o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilônia.
Vemos aqui uma situação extremamente complicada para os sábios e adivinhos da Babilônia. Isto porque o rei Nabucodonosor esqueceu o que sonhou, porém chamou os sábios e adivinhos para revelarem não somente o significado do sonho, mas o que ele havia sonhado. Não puderam contar com a ajuda do Diabo, pois este só sabe daquilo que falamos, pois o que pensamos ou sonhamos, ele não tem como saber, pois esta é uma prerrogativa que pertence somente a Deus. Se o rei lembra-se e contasse o sonho, os sábios e adivinhos poderiam dar qualquer interpretação para satisfazer o rei, porém tendo que descobrir o sonho que o rei sonhou era algo impossível para eles. Diante disso o rei se irou, e tendo o poder absoluto determinou que todos os sábios e adivinhos fossem mortos por não revelarem o seu sonho. 
2 - A INJUSTIÇA NUNCA PREVALECERÁ CONTRA AQUELES AO QUAL DEUS CONSIDERA JUSTO - Daniel 2.13 E saiu o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos.
Com o decreto expedido, a qual todos os sábios deveriam ser mortos, também Daniel e seus companheiros estava incluídos nisso. Aqueles que enganavam os homens, ao fingirem fazer o que não podiam, são agora sentenciados à morte por não serem capazes de fazer algo que sequer fingiram poder fazer. A diferença nesse caso é que os sábios não serviam ao Deus verdadeiro, e sim ao Diabo, porém Daniel e seus companheiros eram servos do Deus verdadeiro, e esse Deus não os deixaria desamparados naquela situação tão perigosa, na qual foram envolvidos os seus servos. Daniel confiava que Deus estava no controle de todas as coisas e que os guardaria de qualquer injustiça praticada contra as suas vidas.
3 – SATANÁS TEM SEUS SERVOS COMO DISPENSÁVEIS, MAS DEUS CUIDA DOS SEUS SERVOS FIÉIS - Daniel 2.14 Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilônia.
Ao longo da história se observa que Satanás só quer as pessoas para usá-las como seus instrumentos e quando não serve mais ele simplesmente abandona e descarta. Mesmo tendo sido abandonados pelo maligno esses sábios seriam poupados por Deus através do seu servo Daniel. Isto porque Daniel foi extremamente prudente ao lidar com o executor das ordens do rei, e a prudência é algo fundamental quando estamos envolvidos em situações complicadas. 
4 - QUEM É DIRIGIDO PELO ESPÍRITO É PRUDENTE PARA LIDAR COM SITUAÇOES GRAVES - Daniel 2.15 Respondeu, e disse a Arioque, capitão do rei: Por que se apressa tanto o decreto da parte do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel.
Daniel teve a prudência e tranquilidade para manter o equilíbrio, e sabiamente não reprovou a atitude do rei Nabucodonosor, pois isso poderia ser perigoso para ele. Simplesmente perguntou ao executor, o porquê de tanta pressa em cumprir o mandato do rei. Falou isso com tanta confiança que Arioque se tranquilizou e passou a dar atenção a Daniel, isto porque Daniel já havia conquistado com a sua sabedoria muitos oficiais do palácio. Assim Daniel se compromete dar ao rei toda satisfação que ele desejava, pois tinha confiança no Deus que ele servia.
5 - É A DEUS QUE DEVEMOS CONSULTAR QUANDO SE TRATA DE INTERPRETAR REVELAÇÕES - Daniel 2.16 E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que lhe pudesse dar a interpretação.
Daniel foi diante do rei com muita confiança, pois tinha a certeza que Deus ia revelar-lhe o sonho esquecido pelo rei; e, na prontidão desta certeza, evitou qualquer precipitação pedindo ao rei um tempo para voltar à sua presença, com o sonho e a sua interpretação. Era um momento de ousadia, e não de humildade, pelo que o profeta agiu com grande decisão e confiança na providência divina. Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. Salmos 125:1
6 - DEVEMOS PROCURAR A UNIÃO DE FORÇAS COM QUEM PODE NOS AJUDAR NAS ORAÇÕES - Daniel 2.17 Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros;
Como servos de Deus em qualquer situação difícil que enfrentarmos é preciso procurar estar unidos em tudo, pois essa união é muito importante para fortalecermos os nossos vínculos espirituais. A bíblia nos ensina a nos comportar dessa maneira: E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa. Eclesiastes 4:12 - Embora Daniel tivesse dons especiais, ele não se estribou nisso e com toda humildade procurou os seus companheiros para que se unissem com ele em oração, até que obtivessem a resposta de Deus. Essa é uma atitude que deve ser imitada por todos os cristãos. 
7 - É PRECISO CONTAR COM AS MISERICÓRIDIAS DIVINAS CRENDO QUE ELE SEMPRE NOS OUVE - Daniel 2.18 Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios de Babilônia.
Eles estavam longe de casa, mas, pela fé, podiam continuar olhando para os montes de Sião de onde lhes viria o socorro. O Deus do céu ouviria as orações de seus servos e lhes responderia para a sua glória. Deus havia ocultado uma verdade profética no sonho e capacitou seu servo para que conhecesse tanto o sonho quanto sua interpretação e para que compreendesse os planos de Deus para o futuro. "Muito pode pela sua eficácia, a súplica do justo. Tiago 5.16". A oração fervorosa e eficaz dos justos é algo de grande proveito. Há mistérios e segredos a que somos levados pela oração. Com essa chave os segredos dos céus são destrancados. Batei, batei e abrir-se-vos-á.8 - QUANDO AS NOSSAS ORAÇÕES SÃO RESPONDIDAS NÓS DEVEMOS TRANSFORMÁ-LAS EM LOUVOR - Daniel 2.19 Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu.
Daniel ao receber a revelação do sonho de Nabucodonosor transformou imediatamente as suas orações em louvores. Ele havia orado com toda certeza de que Deus o atenderia lhe dando a revelação, que também deu graças pelo favor a qual recebeu de Deus. É através da oração que hora da necessidade alcançamos orientações especial que vem por meio da inspiração mística. Em determinadas situações precisamos de orientação especial por meio de eventos extraordinários. Assim aconteceu com Daniel e seus amigos; eles oraram e a resposta chegou e assim acontece com todos que buscam a Deus nos momentos de grande dificuldade.
9 - SÓ DEUS TEM SABEDORIA INFINITA DE CRIAR, E PLANEJAR E PODER DE EXECUTAR E REALIZAR - Daniel 2.20 Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força;
Deus intervém na história humana, e nós agradecemos e O louvamos por isso. Essa foi a atitude de Daniel ao celebrar a grande vitória alcançada através da oração. O segredo revelado foi a grande vitória, pois Deus é aquele que sabe todas as coisas. A importância desse segredo revelado é que além de livrar Daniel e seus amigos da morte, juntamente com todos os sábios, também o elevaria no conceito do rei, o qual os designou para cargos mais altos no seu reino.
10 - NENHUMA MUDANÇA ACONTECE POR ACASO, MAS SEMPRE PELA VONTADE E CONSELHO DIVINO - Daniel 2.21 E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos.
Deus é o Deus que no momento certo intervém na história humana, individual e coletiva. Ele levanta reis e derruba reis, determinando o curso das nações dentro da história que Ele escreveu, e tudo que Ele escreveu aconteceu, está acontecendo e acontecerá. Quando a verdadeira sabedoria é encontrada entre os homens, ela é um dom de Deus, que os capacita a entender o tempo e o modo das coisas.
11 - SÓ DEUS PODE REVELAR MISTÉRIOS E ILUMINAR AS NOSSAS MENTES PARA COMPREENDE-LOS - Daniel 2.22 Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.
Deus revela o que está escondido no oculto e no profundo; conhece todos os segredos e os transmite a homens em necessidade. Deus é a luz e reside n luz, onde todos os mistérios são esclarecidos e a mente dos homens é iluminada. Para o crente fiel a Deus, Ele está sempre revelando algo novo em sua vida. Deus não só mora na luz, como também exige que os seus filhos andem na luz. Deus é o Pai das luzes, de todas as luzes. Daniel louva ao Senhor por ter lhe concedido essa revelação e porque Ele é a fonte de toda a sabedoria e força.
12 - A SABEDORIA E FORÇA QUE RECEBEMOS DE DEUS DEVEM SER RECONHECIDAS COMO DÁDIVAS - Daniel 2.23 Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei.
Ter fé é viver sem tramar, e a fé glorifica a Deus. Daniel e seus três amigos não podiam receber o crédito por aquilo que aconteceu, pois veio das mãos de Deus. A fé pode tudo que Deus pode, e a oração pode tudo aquilo que a fé pode, se a oração for feita com fé. "Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Tiago 1:6". A oração feita com fé chega ao Deus onipotente e o traz para dentro das nossas circunstâncias, e quando Deus entra em nossas circunstâncias é o momento em que recebemos a nossa vitória.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.

Aguardem a publicação do Esboço e Comentário
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.                                                                                                                                                                         
http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/10/o-deus-que-intervem-na-historia.html

A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL

         

O DEUS QUE INTERVÉM NA HISTÓRIA
Lição 13 - 19 de outubro de 2014
Texto Áureo: Daniel 2.20,21 Falou Daniel e disse: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; Ele muda os tempos e as horas; Ele remove os reis e estabelece os reis; Ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligêntes.
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 2.12-23

DEUS SEMPRE INTERVÉM QUANDO O HOMEM TENTA MUDAR A SUA HISTÓRIA
IntroduçãoDesde o princípio de todas as coisas, Deus escreveu uma história para a humanidade, não uma história de ficção, mas sim uma história real e, isso foi registrado nas Escrituras Sagradas, onde ela relata o princípio dessa história e o final dessa história a qual Ele escreveu. No transcorrer dessa história divina, se fez necessário Deus fazer várias intervenções para coloca-la no curso a qual Ele a escreveu conforme as Escrituras nos revelam. A cada dispensação e durante o seu período de duração, o Senhor Deus precisou fazer intervenções, dado ao fato do homem sob a influência de Satanás ter tentado mudar o curso da história, a qual Deu escreveu. Foi assim no Éden com a queda do homem, na corrupção do período antediluviano, quando Deus manda fazer a arca para que Noé e sua família fossem salvos, no governo humano com a torre de babel, na chamada de Abraão, no período da lei do Egito a Canaã, com as tribos de Israel, encerrando o período da lei com a missão de Jesus aqui na terra foi consumada, no período da graça com o arrebatamento da Igreja, na grande tribulação, no milênio, no julgamento do trono branco e com a criação dos novos céus e novas terras, que é até aonde chega o final da sua história. O texto que estamos abordando envolve uma revelação que faz parte dessa história, e para surpresa de muitos, Deus mostrou em sonho para um rei ímpio chamado Nabucodonosor, uma estátua, porém não revelou a este rei, o significado do sonho. Essa estátua tinha uma cabeça de ouro que significava a Babilônia de Nabucodonosor, a qual iria cair; o peito e os braços de prata, os Medos e Persas de Dario e Ciro; o ventre e quadris a Grécia de Alexandre; as pernas de ferro, a Roma dos Imperadores; os pés em parte de barro e de ferro, a Roma sem o poder político, mas sustentada ainda pelo poder religioso do Papa; e os dez dedos da estátua referem-se aos dez países que serão comandados pelo anti-cristo no período da grande tribulação. Revelava também uma pedra que foi cortada sem o auxílio de mão, a qual feriu a estátua nos pés de barro e de ferro e os esmiuçou. Esta pedra refere-se ao Senhor Jesus Cristo, que intervirá fazendo isso no final da grande tribulação. 
1 - DEUS DÁ SONHOS A QUEM QUER, MAS A INTERPRETAÇÃO NÃO É PARA QUALQUER UM - Daniel 2.12 Por isso o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de Babilônia.
Vemos aqui uma situação extremamente complicada para os sábios e adivinhos da Babilônia. Isto porque o rei Nabucodonosor esqueceu o que sonhou, porém chamou os sábios e adivinhos para revelarem não somente o significado do sonho, mas o que ele havia sonhado. Não puderam contar com a ajuda do Diabo, pois este só sabe daquilo que falamos, pois o que pensamos ou sonhamos, ele não tem como saber, pois esta é uma prerrogativa que pertence somente a Deus. Se o rei lembra-se e contasse o sonho, os sábios e adivinhos poderiam dar qualquer interpretação para satisfazer o rei, porém tendo que descobrir o sonho que o rei sonhou era algo impossível para eles. Diante disso o rei se irou, e tendo o poder absoluto determinou que todos os sábios e adivinhos fossem mortos por não revelarem o seu sonho. 
2 - A INJUSTIÇA NUNCA PREVALECERÁ CONTRA AQUELES AO QUAL DEUS CONSIDERA JUSTO - Daniel 2.13 E saiu o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos.
Com o decreto expedido, a qual todos os sábios deveriam ser mortos, também Daniel e seus companheiros estava incluídos nisso. Aqueles que enganavam os homens, ao fingirem fazer o que não podiam, são agora sentenciados à morte por não serem capazes de fazer algo que sequer fingiram poder fazer. A diferença nesse caso é que os sábios não serviam ao Deus verdadeiro, e sim ao Diabo, porém Daniel e seus companheiros eram servos do Deus verdadeiro, e esse Deus não os deixaria desamparados naquela situação tão perigosa, na qual foram envolvidos os seus servos. Daniel confiava que Deus estava no controle de todas as coisas e que os guardaria de qualquer injustiça praticada contra as suas vidas.
3 – SATANÁS TEM SEUS SERVOS COMO DISPENSÁVEIS, MAS DEUS CUIDA DOS SEUS SERVOS FIÉIS - Daniel 2.14 Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de Babilônia.
Ao longo da história se observa que Satanás só quer as pessoas para usá-las como seus instrumentos e quando não serve mais ele simplesmente abandona e descarta. Mesmo tendo sido abandonados pelo maligno esses sábios seriam poupados por Deus através do seu servo Daniel. Isto porque Daniel foi extremamente prudente ao lidar com o executor das ordens do rei, e a prudência é algo fundamental quando estamos envolvidos em situações complicadas. 
4 - QUEM É DIRIGIDO PELO ESPÍRITO É PRUDENTE PARA LIDAR COM SITUAÇOES GRAVES - Daniel 2.15 Respondeu, e disse a Arioque, capitão do rei: Por que se apressa tanto o decreto da parte do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel.
Daniel teve a prudência e tranquilidade para manter o equilíbrio, e sabiamente não reprovou a atitude do rei Nabucodonosor, pois isso poderia ser perigoso para ele. Simplesmente perguntou ao executor, o porquê de tanta pressa em cumprir o mandato do rei. Falou isso com tanta confiança que Arioque se tranquilizou e passou a dar atenção a Daniel, isto porque Daniel já havia conquistado com a sua sabedoria muitos oficiais do palácio. Assim Daniel se compromete dar ao rei toda satisfação que ele desejava, pois tinha confiança no Deus que ele servia.
5 - É A DEUS QUE DEVEMOS CONSULTAR QUANDO SE TRATA DE INTERPRETAR REVELAÇÕES - Daniel 2.16 E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que lhe pudesse dar a interpretação.
Daniel foi diante do rei com muita confiança, pois tinha a certeza que Deus ia revelar-lhe o sonho esquecido pelo rei; e, na prontidão desta certeza, evitou qualquer precipitação pedindo ao rei um tempo para voltar à sua presença, com o sonho e a sua interpretação. Era um momento de ousadia, e não de humildade, pelo que o profeta agiu com grande decisão e confiança na providência divina. Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. Salmos 125:1
6 - DEVEMOS PROCURAR A UNIÃO DE FORÇAS COM QUEM PODE NOS AJUDAR NAS ORAÇÕES - Daniel 2.17 Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros;
Como servos de Deus em qualquer situação difícil que enfrentarmos é preciso procurar estar unidos em tudo, pois essa união é muito importante para fortalecermos os nossos vínculos espirituais. A bíblia nos ensina a nos comportar dessa maneira: E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa. Eclesiastes 4:12 - Embora Daniel tivesse dons especiais, ele não se estribou nisso e com toda humildade procurou os seus companheiros para que se unissem com ele em oração, até que obtivessem a resposta de Deus. Essa é uma atitude que deve ser imitada por todos os cristãos. 
7 - É PRECISO CONTAR COM AS MISERICÓRIDIAS DIVINAS CRENDO QUE ELE SEMPRE NOS OUVE - Daniel 2.18 Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios de Babilônia.
Eles estavam longe de casa, mas, pela fé, podiam continuar olhando para os montes de Sião de onde lhes viria o socorro. O Deus do céu ouviria as orações de seus servos e lhes responderia para a sua glória. Deus havia ocultado uma verdade profética no sonho e capacitou seu servo para que conhecesse tanto o sonho quanto sua interpretação e para que compreendesse os planos de Deus para o futuro. "Muito pode pela sua eficácia, a súplica do justo. Tiago 5.16". A oração fervorosa e eficaz dos justos é algo de grande proveito. Há mistérios e segredos a que somos levados pela oração. Com essa chave os segredos dos céus são destrancados. Batei, batei e abrir-se-vos-á.8 - QUANDO AS NOSSAS ORAÇÕES SÃO RESPONDIDAS NÓS DEVEMOS TRANSFORMÁ-LAS EM LOUVOR - Daniel 2.19 Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu.
Daniel ao receber a revelação do sonho de Nabucodonosor transformou imediatamente as suas orações em louvores. Ele havia orado com toda certeza de que Deus o atenderia lhe dando a revelação, que também deu graças pelo favor a qual recebeu de Deus. É através da oração que hora da necessidade alcançamos orientações especial que vem por meio da inspiração mística. Em determinadas situações precisamos de orientação especial por meio de eventos extraordinários. Assim aconteceu com Daniel e seus amigos; eles oraram e a resposta chegou e assim acontece com todos que buscam a Deus nos momentos de grande dificuldade.
9 - SÓ DEUS TEM SABEDORIA INFINITA DE CRIAR, E PLANEJAR E PODER DE EXECUTAR E REALIZAR - Daniel 2.20 Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força;
Deus intervém na história humana, e nós agradecemos e O louvamos por isso. Essa foi a atitude de Daniel ao celebrar a grande vitória alcançada através da oração. O segredo revelado foi a grande vitória, pois Deus é aquele que sabe todas as coisas. A importância desse segredo revelado é que além de livrar Daniel e seus amigos da morte, juntamente com todos os sábios, também o elevaria no conceito do rei, o qual os designou para cargos mais altos no seu reino.
10 - NENHUMA MUDANÇA ACONTECE POR ACASO, MAS SEMPRE PELA VONTADE E CONSELHO DIVINO - Daniel 2.21 E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos.
Deus é o Deus que no momento certo intervém na história humana, individual e coletiva. Ele levanta reis e derruba reis, determinando o curso das nações dentro da história que Ele escreveu, e tudo que Ele escreveu aconteceu, está acontecendo e acontecerá. Quando a verdadeira sabedoria é encontrada entre os homens, ela é um dom de Deus, que os capacita a entender o tempo e o modo das coisas.
11 - SÓ DEUS PODE REVELAR MISTÉRIOS E ILUMINAR AS NOSSAS MENTES PARA COMPREENDE-LOS - Daniel 2.22 Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.
Deus revela o que está escondido no oculto e no profundo; conhece todos os segredos e os transmite a homens em necessidade. Deus é a luz e reside n luz, onde todos os mistérios são esclarecidos e a mente dos homens é iluminada. Para o crente fiel a Deus, Ele está sempre revelando algo novo em sua vida. Deus não só mora na luz, como também exige que os seus filhos andem na luz. Deus é o Pai das luzes, de todas as luzes. Daniel louva ao Senhor por ter lhe concedido essa revelação e porque Ele é a fonte de toda a sabedoria e força.
12 - A SABEDORIA E FORÇA QUE RECEBEMOS DE DEUS DEVEM SER RECONHECIDAS COMO DÁDIVAS - Daniel 2.23 Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei.
Ter fé é viver sem tramar, e a fé glorifica a Deus. Daniel e seus três amigos não podiam receber o crédito por aquilo que aconteceu, pois veio das mãos de Deus. A fé pode tudo que Deus pode, e a oração pode tudo aquilo que a fé pode, se a oração for feita com fé. "Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Tiago 1:6". A oração feita com fé chega ao Deus onipotente e o traz para dentro das nossas circunstâncias, e quando Deus entra em nossas circunstâncias é o momento em que recebemos a nossa vitória.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.

Aguardem a publicação do Esboço e Comentário
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.                                                                                                                                                                         
http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/10/a-firmeza-do-carater-moral-e-espiritual.html

Daniel, nosso contemporâneo


A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL

Lição 2 - 12 de Outubro de 2014
Texto Áureo: “E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, [...] portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar’' (Dn 1.8).
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 1.1-8,17,20

QUEM TEM CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL CONSERVA-O EM QUALQUER LUGAR

Introdução: 
A palavra caráter pode ser definida como características e traços relativos à maneira de agir e de reagir no sentido individual ou em grupo. É o conjunto de qualidades e defeito de alguém, é o que vão determinar a sua conduta e a sua moralidade, que envolve o seu caráter. Uma pessoa conhecida como "sem caráter", geralmente é qualificada como desonesta, por não apresentar firmeza de princípios ou de moral. Por outro lado, uma pessoa de "caráter" é alguém com formação moral sólida e incontestável. Quando uma pessoa tem um caráter firme, ela não se deixa levar por propostas de via mais fácil para a realização de algo, mesmo que naquele momento pareça ser o melhor caminho a seguir, é o caráter que vai determinar a escolha do indivíduo. Pessoas do mundo secular que demonstram um caráter íntegro são raridades em nossos tempos, basta olharmos para os poderes legislativo, judiciário e executivo e vamos observar que a maior parte deles, são pessoas desprovidas de caráter. No meio evangélico onde todos deveriam ser pessoas de caráter íntegro, infelizmente não é isso que vemos em nossos dias. Através do exemplo desses jovens personagens bíblicos que foram levados cativos para a Babilônia, é possível ver e aprender como é vivido o verdadeiro caráter em qualquer situação, por mais difícil que seja.
I. QUEM DECLINA NA FÉ E NÃO SE ARREPENDE NÃO ESCAPA DO JUÍZO DIVINO 

1. A situação moral e política de Judá foi o que os levou ao cativeiro babilônico - Daniel I.1 - No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou.
Os judeus por não desenvolverem um caráter íntegro tanto na parte política e religiosa foram despatriados por não darem ouvidos a Deus que os exortava ao arrependimento através de vários profetas e por último o profeta Jeremias. Durante décadas, os profetas haviam avisado os governantes de Judá que sua idolatria, imoralidade e injustiça dentro do reino os levariam à ruína. Vários profetas com Isaías, Miquéias, Habacuque previram o resultado da desobediência e finalmente o profeta Jeremias viveu para ver o cumprimento dessas profecias e daquelas que ele mesmo havia proclamado. Deus preferia que seu povo vivesse em cativeiro vergonhoso numa terra pagã a viver como pagãos na terra santa envergonhando seu nome. 
2. A situação espiritual de Judá estava toda inclinada para o pecado da idolatria - Ó meu monte, no campo, a tua riqueza e todos os teus tesouros, darei por presa, como também os teus altos, por causa do pecado, em todos os teus termos. Jeremias 17:3
Em vez de dedicar sua devoção e obediência ao verdadeiro Deus vivo que os havia abençoado, os judeus adotaram os ídolos das nações vizinhas e deram-lhes mais valor do que a Jeová. Eles construíram altares para esses deuses contrariando o mandamento divino que proibia essa prática. Com isso, contaminaram a terra, e por causa da idolatria, a herança do povo seria saqueada. Assim, perderiam tudo o que tinham por sua própria culpa. A lei que deveria estar gravada em seus corações foi ignorada e deram lugar para gravar em seus corações o pecado. Podemos esquecer-nos dos nossos pecados, mas eles não se esquecem de nós, pois ficam impressos em nosso coração até que peçamos perdão a Deus. Só assim podemos ser purificados e renovados. 
3. O império babilônico arrasou o reino de Judá porque Deus assim permitiu - Daniel 1.2 - E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus.
Enquanto os judeus respeitavam e obedecia a lei do Senhor, não havia quem ousasse profanar o templo em Jerusalém e escapasse de morrer. Porém a iniquidade dos judeus transbordou a tal ponto que o próprio Deus os entregou nas mãos de Nabucodonosor. Este monarca foi usado por Deus como instrumento de juízo para levar o seu povo ao cativeiro na babilônia. (Hebreus 10.31 Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo). Deus é longânimo, e todo juízo que Ele pretende executar sempre avisa antes através dos seus profetas, pois a palavra diz que Deus não fará coisa alguma sem antes avisar aos seus servos os profetas. O desprezo aos avisos dos profetas do Senhor traz consequências desastrosas. (Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7).

II. QUEM POSSUI UM CARÁTER ÍNTEGRO SABE RESISTIR A TODA CORRUPÇÃO MORAL
1. A tentativa de aculturamento dos jovens hebreus não os distanciaram da sua fé em Deus - Daniel 1.3 - E disse o rei a Aspenaz, chefe dos eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres. Daniel 1.4 - jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.
Daniel e seus três companheiros foram escolhidos para servirem na corte do rei de Babilônia. As exigências observadas eram que fossem da linhagem real; e serem pessoas nobres. Esses requisitos foram encontrados nestes jovens, pois eram perfeitos, e perfeitamente instruídos para toda boa obra. Daniel e seus três amigos foram parte de um remanescente judeu fiel na Babilônia, colocados lá pelo Senhor para cumprir os seus propósitos. Esses jovens se destacavam em todos os aspectos e eram os melhores e mais brilhantes e preparados por Deus para um ministério estratégico longe de seu lar. Embora tenham sido aculturados nos costumes dos caldeus eles demonstraram mesmo correndo riscos de morrerem executados, que a sua fé em Deus estava em primeiro lugar. 
2. Os jovens resistiram a participar do manjar do rei demonstrando um caráter fiel a Deus - Daniel 1.5 - E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei.
Estes jovens tiveram que passar por ardentes provas, mas em todas elas não perderam a sua identificação como servos de Deus. O programa de educação requeria que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus, num curso intensivo de três anos. Seu bem-estar físico incluía o melhor que o reino podia oferecer, ou seja, as iguarias da mesa imperial. O tratamento recebido pelos jovens era o melhor possível, porém não foram tentados pela melhor alimentação, a qual o próprio rei se servia, pois isso feriria os seus princípios judaicos manchando assim o seu caráter como servos de Deus. As maças do diabo são bichadas. Sem dúvida a comida do rei, era a melhor da terra e os jovens recusaram, pois isso os contaminaria e se tornaria impuros diante de Deus. 
3. Ao receberam nomes de divindades babilônicas, não perderam a sua identificação judaica - Daniel 1.6 - E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Daniel 1.7 - E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias, o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias, o de Abede-Nego.
Era costume dos hebreus, darem nomes as suas crianças com significado profético, não somente para distinguir esta pessoa, como também manterem uma conotação profética. Daniel e seus companheiros foram agraciados por seus pais com nomes proféticos. O nome Daniel significa "Deus é meu juíz", mas foi mudado para Belsazar ou "Bel protege a vida dele". Hananias quer dizer "O Senhor mostra graça", mas seu novo nome, Sadraque, significa "o comando de Aku". Misael quer dizer "Quem é como Deus", e seu novo nome, Mesaque, significa "quem é como Aku". Azarias significa, "O Senhor é meu auxilio" e seu novo nome, Abede-nego quer dizer "servo de Nebo". Eles não deram importância aos seus novos nomes, pois os seus nomes originais testificava a sua religião e nacionalidade. Essa mudança de nomes era um plano diabólico com intenções de apagarem a memória de Jerusalém, extinguir toda a ideia de religião e uni-los à política do mundo. Também havia a intenção de divulgar através desses jovens a falsa religião do monarca babilônico.
 
III. – QUEM TEM TEMOR DE DEUS NÃO SE CONTAMINA COM OS MANJARES DO MUNDO
1. Daniel, um modelo de fidelidade: evitou se contaminar com comida oferecida a ídolos - Daniel 1.8 - E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.
A comida e a bebida dos monarcas babilônicos eram, antes de tudo oferecidas a ídolos pagãos, e, portanto Daniel e seus companheiros decidiram evitar participar desse manjar do rei. Daniel, como fiel judeu, não podia participar de comidas consagradas e dedicadas aos deuses pagãos. Os verdadeiros cristãos devem se abster de tudo que possa contaminar a sua alma, mesmo que seja muito atrativo ao paladar. O verdadeiro cristão deve seguir a risca os conselhos divinos que diz para em todos os tempos serem alvos os nossos vestidos, e que nunca falte o óleo sobre as nossas cabeças.
2. Daniel, um modelo de excelência, e pelo seu espírito excelente recebeu dons especiais - Daniel 1.17 - Ora, a esses quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda visão e sonhos.
A nossa competência depende do nosso treinamento e isso envolve a nossa sobrevivência. Para uma convivência inteligente em qualquer lugar precisamos ser bem educados. Para servimos a Deus exercendo um ministério precisamos de dons divinos e dependência do Senhor. O treinamento e a educação são extremamente importantes, mas tudo isso não vai substituir a capacidade e a sabedoria que só Deus pode dar. Os jovens tiveram de estudar e se aplicar, mas Deus lhes deu aptidão de aprendizado. Deus os recompensou por isto com eminência no saber. Porque ao homem que é bom diante dele, dá Deus sabedoria, e conhecimento. Para Daniel ele deu uma porção dobrada, pois recebeu dons de visões, sonhos e interpretação. Ele foi investido de um espírito profético, pelo qual era capacitado a conversar com Deus, e receber as mensagens divinas em sonhos e visões. 
3. Daniel, um modelo de integridade pura convivendo no meio de uma sociedade corrupta - Daniel 1.20 - E em toda matéria de sabedoria e de inteligência sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.
Quem busca a sabedoria divina e se aplica nela com todo o zelo, certamente se tornará alguém com uma espiritualidade elevada, assim como foi com Daniel. Daniel soube responder tudo o que lhe foi perguntado pelo rei da Babilônia com verdadeira sabedoria e ousadia. São exemplos que nos levam a entender que existem fontes de sabedoria variadas da parte de Deus, principalmente os seus mandamentos escritos na sua palavra. Precisamos nutrir esse desejo ardente por maiores dons espiritual, pois o verdadeiro cristão não pode ficar estagnado no seu desenvolvimento espiritual. Daniel tornou-se na corte um intérprete de testificador dos caminhos do verdadeiro Deus. Foi uma testemunha perante reis e um dos maiores profetas escatológicos da Bíblia.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.
Quer me ajudar a manter esta obra? É só enviar uma oferta pelos meios abaixo
 
Banco Itaú  Agência 9184
 Conta corrente  05524-3
 
A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
Lição 2 - 12 de Outubro de 2014
Texto Áureo: “E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, [...] portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar’' (Dn 1.8).
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 1.1-8,17,20


I. QUEM DECLINA NA FÉ E NÃO SE ARREPENDE NÃO ESCAPA DO JUÍZO DIVINO
1. A situação moral e política de Judá foi o que os levou ao cativeiro babilônico - Daniel I.1 - No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou.

2. A situação espiritual de Judá estava toda inclinada no pecado da idolatria - Ó meu monte, no campo, a tua riqueza e todos os teus tesouros, darei por presa, como também os teus altos, por causa do pecado, em todos os teus termos. Jeremias 17:3

3. O império babilônico arrasou o reino de Judá porque Deus assim permitiu - Daniel 1.2 - E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus.

II. QUEM POSSUI UM CARÁTER ÍNTEGRO SABE RESISTIR A TODA CORRUPÇÃO MORAL
1. A tentativa de aculturamento dos jovens não os afastaram da sua fé em Deus - Daniel 1.3 - E disse o rei a Aspenaz, chefe dos eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres. Daniel 1.4 - jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.

2. Os jovens resistiram participar do manjar do rei demonstrando um caráter fiel  - Daniel 1.5 - E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei.

3. Receberam nomes de divindades babilônicas, sem perder sua identidade judaica - Daniel 1.6 - E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Daniel 1.7 - E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias, o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias, o de Abede-Nego.

III. – QUEM TEM TEMOR DE DEUS NÃO SE CONTAMINA COM OS MANJARES DO MUNDO
1. Daniel, um modelo de fidelidade: evitou se contaminar com comida oferecida a ídolos - Daniel 1.8 - E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.

2. Daniel, um modelo de excelência, e pelo seu espírito excelente recebeu dons especiais - Daniel 1.17 - Ora, a esses quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda visão e sonhos.

3. Daniel, um modelo de integridade pura convivendo no meio de uma sociedade corrupta - Daniel 1.20 - E em toda matéria de sabedoria e de inteligência sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.

 

http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/09/daniel-nosso-contemporaneo.html

A atualidade dos últimos conselhos de Tiago

ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
Lição 13 - 28 de Setembro de 2014
Texto Áureo: Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos’1 (Tg 5.16).
Leitura Bíblica em Classe: Tiago 5.7-20
QUATORZE BONS CONSELHOS QUE NÓS DEVEMOS POR EM PRÁTICA
Introdução: Nós cristãos precisamos entender que não basta ser crente para se considerar totalmente garantido quanto a nossa salvação eterna. A bíblia deixou claramente que existem condicionais de conduta em nossa caminhada como cristãos, para que possamos chegar ao alvo fundamental que é Cristo. O que muito crente ignora é que Deus testa a nossa fidelidade em todas as coisas concernentes ao seu reino, como também a nossa fidelidade para com Ele. Nesta carta de Tiago foram abordados vários temas importantes visando regras de conduta, as quais são condicionais a todo cristão que pretende alcançar a sua eternidade com Cristo. Aquele que diz: Uma vez salvo, salvo para sempre deve entender dessa maneira; uma vez salvo procure conservar a salvação em obediência irrestrita a palavra de Deus para que ninguém tome a tua coroa e, aí sim, poderá ser salvo para sempre, caso contrário é perdição eterna. A nossa caminhada cristã envolve ultrapassar vários tipos de provações que são voltadas para a carne, alma e espírito e se não vigiarmos poderemos fracassar em uma delas, ou em todas. Não vamos pensar que tempo como crente, trabalho na obra, posição ou, outra coisa dará algum atenuante quanto a nossa salvação, pois a ida para Cristo, tanto por morte, ou pelo arrebatamento dependerá da nossa conduta presente, e não dos feitos da nossa conduta passada.
1 - NÓS SÓ ALCANÇAREMOS AS PROMESSAS SE AGUARDARMOS COM PACIÊNCIA A VINDA DE CRISTO – Tiago 5.7 Sede, pois, irmãos, pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia.
A igreja primitiva vivia em constante expectativa da volta de Cristo, isto porque o Senhor disse que viria em breve. O que muitos não entendiam e muitos não entendem nos tempos atuais é que Cristo não disse isso envolvendo o tempo chronos do homem, que é o tempo medido pelo nosso calendário. O tempo de Deus é o tempo kairós, ou seja, o tempo eterno como disse o apóstolo Pedro: (Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. 2 Pedro 3:8). Não devemos e não podemos marcar uma data para dizer quanto tempo a volta de Cristo demorará ainda, mas a atitude de continuar com bom ânimo não deve ser substituída por impaciência ou desanimo.
2 - NÓS PRECISAMOS DE PACIÊNCIA NAS AFLIÇÕES PARA NOS FORTALECEMOS ATÉ A VINDA DO SENHOR – Tiago 5.8 - Sede vós também pacientes, fortalecei o vosso coração, porque Já a vinda do Senhor está próxima.
Não pode haver dúvidas ou incertezas sobre a validade da vinda de Cristo, pois isso poderia provocar desânimos na carreira cristã. Devemos nos fortalecer na fé com exercícios espirituais constantes combatendo qualquer tipo de dúvidas tanto externas, como internas quanto a vinda do Senhor. O ministério da oração e da Palavra de Deus é importante para que o coração seja fortalecido. Um coração não fortalecido não pode dar frutos. (E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto sede sóbrios e vigiai em oração. 1 Pedro 4:7).
3 - NÓS DEVEMOS SABER QUE A VINDA DE JESUS É SÚBITA E NÃO HAVERÁ TEMPO PARA CONSERTOS - Tiago 5.9 - Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta. 
Crente que vive em rixas, brigas, amargura, falta de perdão ou qualquer maledicência, se por eventual morte física, ou pela inesperada vinda de Cristo e for encontrado assim ficará de fora, ou seja, perderá a sua salvação e entrará em condenação. O juiz está às portas e quando isso subitamente acontecer, haverá a separação do trigo e do joio. A rejeição a uma conduta digna como convém aos santos, implicará num pavoroso juízo. O conhecimento da presença de Cristo não é apenas confortante; ele também pode ser condenador, especialmente quando nós começamos a nos comportar com se Ele estivesse longe. (Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim. Mateus 24:46).
4 - NÓS DEVEMOS SER FIÉIS E OBEDIÊNTES COMO OS PROFETAS E DEUS NOS PRESERVA DO SOFRIMENTO - Tiago 5.10 - Meus irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor.
Precisamos aprender com os exemplos deixados pelos profetas que falaram em nome do Senhor, os quais com paciência diante do sofrimento não recuaram na missão de proclamar a Palavra do Senhor. Temos o exemplo de Elias perseguido por Jezabel, de Jeremias afligido por reis e religiosos e outros mais que falaram em nome do Senhor. Eles são exemplos de obediência e fidelidade, a despeito das dificuldades que suportaram. A virtude deles era ter a capacidade de perseverar, fosse qual fosse a tribulação. Eles nos mostram que podemos suportar todo tipo de sofrimento e permanecermos fiel.
5 - NÓS, ASSIM COMO FOI COM JÓ PODEMOS NÃO ENTENDER AS PROVAS, MAS SEU FINAL É VITORIOSO - Tiago 5.11 - Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó e vistes o fim que 0 Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso.
Observemos que Jó no final da sua provação pode entender os planos de Deus para com ele dizendo: eu bem sei que nenhuns dos seus propósitos podem ser impedidos. Todo sofrimento que alguém passa está longe de ser atraente, mas Jesus disse que é bem-aventurado os que sofrem por causa das obras de justiça. Os incrédulos do mundo não pensam assim, porém os cristãos devem estar conscientes que todo sofrimento sempre trará algo importante como disse o apóstolo Paulo: (Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 2 Coríntios 4:17).
6 - NÓS NÃO PODEMOS FAZER JURAMENTOS, POIS A PALAVRA DO CRENTE DEVE SER VERDADEIRA - Tiago 5.12- Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis nem pelo céu nem pela terra, nem façais qualquer outro juramento; mas que a vossa palavra seja sim, sim e não, não, para que não caiais em condenação.
O Senhor exige do crente que ele seja absolutamente fiel e digno de confiança em todas as suas palavras. Não podemos dizer ou afirmar algo que seja diferente daquilo que esta em nosso coração. É importante saber que Deus julgará todas as nossas palavras e o julgamento de Deus é o padrão que os cristãos devem temer e observar. (Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado. Mateus 12:37). O cristão deve observar princípios de honestidade absoluta para que os outros creiam nos seus simples "sim" e "não", evitando as mentiras, as meias-verdades, e as omissões da verdade. Esse é um comportamento e que o crente fica conhecido como uma pessoa digna de confiança.
7 - NÓS NÃO PODEMOS SER TOMADOS PELAS AFLIÇÕES, POIS EM TUDO DEVEMOS DAR GRAÇAS A DEUS - Tiago 5.13 - Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.
Quem passa por sofrimento de aprender a suportá-lo, não permitindo que a ira venha arder no seu interior partindo para as queixas e murmurações. A atitude correta para suportar o sofrimento é continuar orando sobre ele, não necessariamente pedindo que ele acabe, mas que Deus de forças e ânimos para suportá-lo. A oração perseverante é a resposta adequada para os males do sofrimento, pois nunca podemos nos resignar em continuar sofrendo, pois as provas são até aonde podemos suportar. Nunca ouse culpar o Senhor por aquilo que você esta passando e sim peça a Ele sabedoria para compreender a situação. Deus pode transformar tribulações em vitórias. Jesus orou no Getsêmani pedindo que o cálice fosse removido, mas isso não aconteceu; no entanto o Pai lhe deu forças necessárias para padecer na cruz e morrer por nossos pecados, conquistando assim a sua grande vitória, que era a salvação para todos que nele cressem.
8 - NÓS DEVEMOS CRER NA ORAÇÃO E NA UNÇÃO DAQUELE QUE CRISTO COMISSIONOU PARA MINISTRAR - Tiago 5.14- Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor;
O crente enfermo deve confiar e crer na oração dos ministros da Igreja, ou mesmo dos bispos ou presbíteros, os quais tem a autoridade bíblica para isso como ensina Tiago. É com o coração cheio de fé que se pede oração aos oficiais da Igreja, pois se Cristo os comissionou para isso, é evidente que Ele vai honrar a sua palavra operando a cura no doente. O que muitos não entendem é que Deus opera quando Ele quer e como quer. Nem sempre o doente é curado imediatamente e, se assim for irá caracterizar em milagre, porém há muitos casos em que a cura pode acontecer gradativamente e também há casos em que o doente não alcança a cura, ou por falta de fé, ou porque acha que a cura tem que acontecer na hora e não acontecendo ele começa a descrer no que lhe foi ministrado. (E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. João 14:13).
9 - NÓS DEVEMOS SABER QUE NÃO É O PRESBÍTERO OU O AZEITE QUE CURA, E SIM O PODER DE DEUS - Tiago 5.15 - e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
A oração e o óleo são apenas pontos de fé, e não os agentes de cura, pois qualquer cura que venha acontecer sobre o doente é realizada pelo Senhor. Na oração deve-se pronunciar claramente que o poder da cura reside em o nome do Senhor Jesus Cristo. Aquele que ora não pode prometer que Deus fará milagres, sem ter a certeza antecipada dos seus planos. A falta de fé é um grande impedimento para alguém receber o milagre de Deus e, isso é observado que em Nazaré o povo não tinha fé suficiente para Ele operar milagres naquele lugar. Quanto ao perdão dos pecados relacionado a doença, é preciso entender que nem toda enfermidade indica que o doente trouxe sobre si o castigo que tomou forma de doença, pois há doenças que não tem nada que ver com pecados. (Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. João 9:3).
10 - NÓS NÃO PODEMOS NEGLIGENCIAR DE ORAR UNS PELOS OUTROS NA ENFERMIDADE E FRAQUEZA - Tiago 5.16 - Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.
O pecado afeta a igreja como um todo. O pecado costuma alastrar-se e infectar a outros. Quando o pecado é tratado há cura física e espiritual. (O que encobre a sua transgressão jamais prosperará; mas o que confessa e deixa alcançará misericórdia. Pv 28.13). Não se deve esconder o pecado e nem adiar a sua confissão. Quando o pecado é contra algum irmão não há necessidade de levar ao Pastor, desde que ele seja resolvido entre as partes envolvidas. Jesus ensinou que a confissão e arrependimento sejam, em primeiro lugar, perante o irmão ofendido. Mas se o ofensor se recusar em fazer assim, então deve ser requisitado o confronto com duas ou três testemunhas. Não havendo acordo, então se leva a Igreja; e se ele recusar a confessar perante a Igreja, trate-o como um pecador e não mais como irmão.
11 - NÓS DEVEMOS VER QUE PROFETAS ANTIGOS MESMO FALHOS, SUAS ORAÇÕES FORAM RESPONDIDAS - Tiago 5.17- Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse, e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra.
Elias era tão humano quanto nós, mas isso não impediu que Deus atendesse a sua oração. Todo cristão, sendo obediente a Deus, detém o mesmo poder. A missão pode ser diferente, mas, se uma simples oração feita por Elias foi atendida para um grande feito, certamente será suficiente para a missão de qualquer crente que tenha visão de reino. O poder da oração é o maior poder que o cristão tem a sua disposição. (E, tudo o que pedirdes em oração, crendo, o recebereis. Mateus 21:22 ).  
12 - NÓS DEVEMOS ORAR SEMPRE COM PERSISTÊNCIA PARA QUE A VONTADE DE DEUS SEJA FEITA NA TERRA - Tiago 5.18 - E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.
Homens de Deus como Elias são exemplos importantes para nós a serem seguidos. Eles foram falhos assim como nós também somos, mas eles perseveraram e são testemunhos de que podemos viver para servir a Deus e nunca seremos frustrados em nossas missões. (Ele atenderá à oração do desamparado, e não desprezará a sua oração. Salmos 102:17). A nossa oração deve envolver uma fé persistente até alcançar a resposta de Deus. Nem sempre a resposta vem rapidamente e, é isso que faz muita gente desacreditar que haverá a resposta divina. O que precisamos é crer na palavra a qual Deus vela para fazê-la cumprir, pois sempre ele ouvirá as nossas petições. (Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Isaías 59:1).
13 - NÓS DEVEMOS SEMPRE ESTAR PRÓXIMO DA VERDADE PARA EVITAR O RISCO DE DESVIAR DO CAMINHO - Tiago 5.19 - Irmãos, se algum de entre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter,
Se desviar da verdade, envolve um esfriamento espiritual, e isso acontece por falta de vigiar ou se afastar do primeiro amor. Quando alguém se desvia, a igreja deve tentar fazê-lo voltar, para que se arrependa e seja restaurado. Os crentes devem se importar profundamente um com os outros, pois isso faz parte da comunhão que deve haver na Igreja. Se o cristão não permanecer próximo da verdade, começará a se desviar. (Portanto, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Hebreus 2:1).
14 - NÓS DEVEMOS PROCURAR GANHAR OS QUE ESTÃO PERDIDOS, COMO TAMBÉM OS SALVOS PERDIDOS - Tiago 5.20 - saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador salvará da morte uma alma e cobrirá uma multidão de pecados.

O crente que se desvia para o mundo e se entrega novamente ao lamaçal do pecado vive num perigo incalculável. (porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; 2 Pedro 2:21). O crente que se desvia é como o cão que volta ao seu próprio vômito, ou a porca lavada que volta a espojadoro de lama. A bíblia ainda mostra uma situação mais terrível quando diz: (E, chegando, acha-a varrida e adornada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem é pior do que o primeiro. Lucas 11:25-26). Por esses motivos devemos empregar todo o nosso esforço para levar o desviado ao arrependimento.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel - Th.M.--------------------
http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/09/a-atualidade-dos-ultimos-conselhos-de.html

Os pecados de omissão e de opressão

OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO 

Lição 12 - 21 de Setembro de 2014
Texto Áureo: Tiago 4.17 Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.
Leitura Bíblica em Classe: - Tiago 4.17; 5.1-6



OMISSÃO E OPRESSÃO NÃO É COISA DE CRENTE


Introdução: Omissão é o ato ou efeito de não fazer o que moral ou juridicamente se deveria fazer, e de que resulta, ou pode resultar, prejuízo para o nosso próximo, como também a negligência numa boa ação ou no cumprimento do dever. Já a opressão é sujeição imposta pela força ou abuso de poder de alguém que usa de tirania ou violência para oprimir os outros. No mundo secular encontra-se todo tipo de omissão e opressão e isso se deve as influências malignas que agem nesse sentido em todos aqueles que são possuidores dessa índole perversa. Porém a questão desses ensinamentos é totalmente voltada para os crentes, os quais não podem demonstrar de modo algum serem omissos e opressivos com o seu próximo. Em relação a omissão a bíblia adverte assim: (Não deixes de fazer bem a quem o merece, estando em tuas mãos a capacidade de fazê-lo. Provérbios 3:27), e na questão da opressão a bíblia também adverte assim: (O que oprime ao pobre para se engrandecer a si mesmo, ou o que dá ao rico, certamente empobrecerá. Provérbios 22:16).
A bíblia cita várias passagens a respeito, tanto da omissão, como da opressão, que é algo extremamente grave se o crente praticar, pois Deus não admite esse tipo de coisa. O povo de Israel estava sendo oprimido num regime de escravidão imposto por Faraó, porém como é algo que Deus não suporta, então Ele atendeu o clamor dos filhos de Israel para tirá-los daquele regime de escravidão opressiva, como a bíblia nos mostra: (E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. Êxodo 3:9). Tiago através dessa carta estava advertindo os crentes que tinham posses para terem o cuidado de não agirem com os demais irmãos usando tanto de omissão como de opressão. Em nossos dias tem muitos líderes que agem como verdadeiros tiranos oprimindo e explorando os incautos a fim de obterem para si grandes patrimônios a custa da pregação de uma falsa fé. 
I - É PECADO DE OMISSÃO QUANDO ALGUÉM DEIXA DE ATENDER O SEU PRÓXIMO
1. A realidade do pecado se concretiza se deixarmos de fazer algo pelo próximo – Provérbios 14:21 O que despreza ao seu próximo peca, mas o que se compadece dos humildes é bem-aventurado. 
Quão miseravelmente estão equivocados os que não somente agem mal, mas são planejadores de todo tipos de maldade se afundando cada vez mais no mais profundo pecado. Pecam com habilidade e astúcia realizando no seu entendimento um trabalho mais lucrativo mesmo que envolva pecado. As suas mentes cauterizadas não permitem entender o quanto estão equivocados, enganando e sendo enganados achando que podem enganar a inteligência e a justiça de Deus. Os que tramam contra o seu próximo erram enormemente, pois isto certamente se converterá sobre si mesmos, e terminará na sua própria ruína. O bem que fizermos ao nosso próximo é agradável a Deus, ao passo que Ele mesmo, posteriormente, refletirá com grande satisfação, e por isso o pobre o bendirá, e seremos abundantemente recompensados.
2. O pecado de comissão traz consequências graves que não ficará sem castigo - Lucas 12:47 - E o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites;
A consumação da nossa salvação não consiste somente em vigiar e esperar, Jesus advertiu de várias formas e também encorajou a todos a estar trabalhando quando Ele voltar. Cada um de nós possui determinações sobre o trabalho que temos a fazer neste mundo, é uma comissão recebida de Cristo. Temos de nos manter fiéis em tudo até a sua volta para buscar a sua Igreja. Para que haja um perfeito relacionamento com Deus é preciso que haja um bom relacionamento com os nossos semelhantes. A grande motivação da vida e do serviço cristão deve ser o desejo de agradar ao Senhor para que, em sua volta, ele nos encontre trabalhando fielmente. Cristo separará os cristãos, fiéis dos infiéis; os fiéis serão recompensados com a vida eterna, mas os servos infiéis perderão a recompensa da vida eterna com Ele.
3. O pecado de omissão é consumado se alguém é insensível a necessidade alheia - Marcos 6:36 - Despede-os, para que vão aos lugares e aldeias circunvizinhas, e comprem pão para si; porque não têm que comer.
Os discípulos de Jesus que o acompanhavam em seu ministério terreno tinham muito que aprender com Ele. Um desse aprendizado foi à questão da compaixão aos necessitados a qual estava ausente na vida deles. A multidão que os seguiam estava faminta e os discípulos quiseram mandá-los embora na situação em que se encontravam. Ainda não haviam aprendido a olhar a vida com os olhos de seu Mestre. Para eles, as multidões eram um problema, talvez até mesmo uma inconveniência, mas para Jesus, eram como ovelhas sem pastor, que precisavam ser alimentadas. Para os discípulos aquela multidão era um grande problema, os quais simplesmente queriam se livrar dele, mas para Jesus a multidão não foi considerada um problema e sim uma oportunidade do nome do seu Pai ser glorificado. Se agirmos com sabedoria humana, só veremos o problema, mas não o seu potencial

II- AQUELE QUE OBTEM BENS EXPLORANDO SEU PRÓXIMO SOFRERÁ PELO SEU MAL
1. Aquele que explora os outros nunca escapará do julgamento divino (Tiago 5.1). Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai por vossas misérias, que sobre vós hão de vir.
Tiago adverte os que possuíam riquezas e usavam desta condição para exercer domínio sobre os menos favorecidos. O problema não era possuir riquezas e sim a conduta dos que possuem riquezas, pois do jeito que se comportavam, as suas riquezas eram pecaminosas. Usavam os bens com propósitos egoístas e, ainda o que era mais grave, é que perseguiam e exploravam os pobres. Em nossos dias vemos explicitamente líderes que conquistaram grandes impérios religiosos a custa de incautos na fé que são enganados e ludibriados com todo tipo de heresias. São tão explorados ao ponto de alguns perderem bens e até mesmo se endividarem com empréstimos para cumprir as campanhas maquinadas por esses mercenários da fé. Podem no momento na sua cegueira gananciosa achar que estão bem, mas a bíblia aponta as misérias que sobre eles hão de vir. (Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons. Provérbios 15:3).
2. Aquele que explora os outros os seus ganhos reverterão em maldição - (Tiago 5.2). As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas da traça.
Alguém se sentir seguro com aquilo que conquistou a custa da exploração dos incautos é uma grande estupidez, pois toda segurança que sentem, todos os alicerces em que basearam seus sonhos e esperanças cairão por terra. Da transitoriedade da vida ninguém escapa, pois o dinheiro, a sua segurança, o seu luxo e a sua autoindulgência são equivalentes a coisas apodrecidas porque não lhes servirão para nada na eternidade. O maior medo do rico é ficar pobre e isso foi retratado quando o jovem rico se propôs a seguir Jesus por Ele fosse. Mas, no foi reprovado por Jesus quando negou a se desfazer dos seus bens em favor dos pobres. (Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. Mateus 19:21).
3. Aquele que explora os outros a sua riqueza será corroída e vai a juízo (Tiago 5.3). 0 vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias.
Jesus deixou bem claro a respeito daqueles que buscam as demais coisas e não buscam o seu reino quando disse: (Mateus 19:21 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mateus 6:19). Quando a riqueza não é usada para ajudar os outros, ela perde o seu valor. O egoísmo e a maldade dos ricos se revelam na avareza e egoísmo. Deixando de fazer o bem com o que tem é pecado. Os crentes dos tempos atuais não podem estar participando da tendência do consumismo sem considerar aqueles que precisam da nossa ajuda. Será que a nossa ferrugem não dará testemunho contra nós nos últimos dias? Não é pecado ser rico desde que os ricos não sejam arrogantes, nem ponham sua esperança na incerteza da riqueza, mas em Deus, que de tudo nos provê ricamente para a nossa satisfação. É preciso praticar o bem, ser ricos em boas obras, generosos e prontos a repartir. Dessa forma eles acumularão um tesouro para si mesmo lá no céu (Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Mateus 6:20).

III- O CRENTE QUE SOFRE NO JUGO DOS OPRESSORES O SEU CLAMOR CHEGA A DEUS
1. Deus está atento ao clamor daqueles que trabalham e recebem salários injustos - (Tiago 5.4). Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras e que por vós foi diminuído clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos Exércitos.
Os pobres que eram explorados pelos ricos gananciosos, só tinham um recurso, o qual era clamar a Deus crendo que seriam atendidos por Ele. Em toda opressão e dificuldade que enfrentarmos devemos usar da nossa fé, mesmo que seja pequena para lembrarmos que temos um Deus que é a nossa força e o nosso defensor. Nenhuma circunstância temporária alterará a soberania de Deus, o qual nos protegerá do mal espiritual nesta vida e nos dará as alegrias que nós desejamos na vida porvir. Ele nos assegurará que a justiça será feita com imparcialidade e julgará aqueles que nos oprimem.
2. A regalia dos ricos que lucram a custa dos menos favorecidos um dia cessará – (Tiago 5.5). - Deliciosamente, vivestes sobre a terra, e vos deleitastes, e cevastes o vosso coração, como num dia de matança.
As riquezas não significarão nada no retorno de Cristo, portanto uma vida de luxo e ostentação não tem qualquer valor diante do Senhor. Os líderes cristãos têm direito a receber os seus salários quando tem o seu tempo integral dedicado a Igreja, o que não pode é passar esse tempo acumulando riquezas para os seus próprios interesses. As igrejas precisam de dinheiro para realizar com eficácia os seus trabalhos, o que não pode é estarem usando esse dinheiro para fazer fortunas pessoais como temos visto como também tem sido denunciado pela mídia provocando verdadeiros escândalos no meio evangélico. Jesus pronunciou um juízo para esses que estão nessa situação: (Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem! Mateus 18:7).
3. O pobre não pode resistir à opressão do rico, mas o rico pagará o seu mal - (Tiago 5.6). Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu.
Tiago adverte os ricos opressivos em relação aos pobres, os quais muitas vezes não tinham como pagar as suas dívidas e, em alguns casos eram lançados nas prisões ou forçadas a vender suas posses. Não tendo meio de sustento para si e a família, e sem oportunidades até mesmo de trabalhar para pagar suas dívidas, ficavam em situações de grande miséria sem ter o que comer e frequentemente morriam de fome. Para Deus que agia dessa forma opressiva e desumana era considerado um assassino quando alguns desses pequeninos morriam. O único recurso dessas pessoas que entravam em desespero pela condição a qual viviam era clamar a Deus em busca de socorro. Muitos desses líderes que exploram o povo de Deus, não se arrependerão e irá a juízo no determinado tempo que Deus estabeleceu. (Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre vêem a face de meu Pai que está nos céus. Mateus 18:10).

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
http://pastorguilhermel.blogspot.com.br/2014/09/os-pecados-de-omissao-e-de-opressao.html

PERSONALIDADE DO ANO

PERSONALIDADE DO ANO
Responsabilidade Social

ENTRE PARA ESSA GALERIA DE AMIGOS

 

© 2011 Escola Dominical - Esboços da EBD | A providência divina na fidelidade humana

Template By Adilson Guilhermel - Design Google Blogs - PageNav pastorguilhermel